Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O nome desta série, As Senhoras são Milionárias, é apenas um título chamativo, um pouco irónico e fácil de entender. Esta série é sobre dinheiro, tal como o nome indica, mas não numa perspetiva comum. Não vou falar sobre a experiência (que infelizmente não tenho) a ser milionária, e considero que ser Senhora é uma forma de estar na vida e não um extrato bancário. Nesta série vou escrever sobre Independência Financeira. Conhecem?

 

Independência Financeira significa que se parar de trabalhar hoje tenho dinheiro suficiente para sustentar o meu atual nível de vida, até ao fim dos meus dias. Significa que tenho rendimentos suficientes para não estar dependente to meu ordenado para viver. A palavra chave é independência. Independência Financeira significa não ser dependente do meu ordenado, dos meus pais, do meu fundo de emergência ou do Estado para fazer face às minhas despesas.

 

De uma maneira um pouco mais formal, aqui estão algumas definições:

  

Investopedia: A independência financeira é quando se tem dinheiro/rendimentos suficientes para viver a vida que se deseja, sem ter que trabalhar para ganhar dinheiro extra para cobrir essas despesas.  

 

Wikipedia: A independência financeira significa que você tem riqueza suficiente para viver sem trabalhar. Pessoas financeiramente independentes têm ativos que geram renda (fluxo de caixa) que é pelo menos igual às suas despesas.

 

Tudo sobre Investimentos: Independência financeira pode ser definida como o estado em que uma pessoa é capaz de pagar todas as suas despesas através de um fluxo de renda passiva.

 

Hoje apenas quero introduzir o conceito de Independência Financeira. Quero que compreendam o que significa e que imaginem a vossa vida se fossem financeiramente independentes.

do all thingswith love (2).png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Já há tempos escrevi um post que abordava o conceito fadiga de decisão. Resumindo o conceito, ao tomar centenas de decisões de pouca importância diariamente, temos menos energia para as decisões verdadeiramente importantes. Identifiquei algumas destas “decisões”, que apenas têm um valor acrescentado marginal, e automatizei-as o mais possível. O objetivo é fazer com que estas deixem de ser requerer poder cerebral e passem a ser parte de uma rotina

 

Roupa trabalho

No trabalho apenas tenho que usar roupa semiformal.  Tenho uma cápsula, com um total de 12 peças que uso apenas para trabalhar. Tendo menos opções de roupa, perco menos tempo a decidir o que vestir. Também ajuda ter toda a roupa exposta, assim não tenho de procurar por peças escondidas. Para otimizar ainda mais o meu tempo de manhã, utilizo um sistema de rotação.

 

IMG_20180125_235555.jpg

 

Uso sempre a camisola que está em baixo, em conjunto com as calças da esquerda (indicadas pela seta azul). Quando volto do trabalho ou ponho a roupa para lavar ou a arrumo no topo da pilha ou no cabide à direita. Nos dias em que não me apetece vestir uma das camisolas da pilha visto uma camisa.

 

Apenas tenho 2 pares de calçado que uso no trabalho. Umas botas pretas que uso na maioria das vezes e uns loafers pretos que estão sempre no escritório. Quando neva ou chove tenho de usar botas de borracha (também pretas) no caminho para o trabalho e quando chego troco para os loafers.

  

Lavar o Cabelo

O meu cabelo é seco e para estar apresentável apenas precisa de ser lavado 2 vezes por semana. Mas quando? Todo o processo de análise para tentar perceber se o cabelo está demasiado indecente para o trabalho, calcular a ultima vez que lavei o cabelo, pensar nos dias em que treino e nos dias em que tenho de parecer bonita, etc estava-me a stressar ligeiramente.

 

Tenho a certeza que há dois dias durante a semana que que são perfeitos para lavar o cabelo. Dois dias em que não me importo de levantar mais cedo, idealmente espaçados que maximizem o numero de dias de cabelo decente no trabalho. Fiz pesquisa, pensei no meu estilo de vida e no cronograma capilar que quero implementar e cheguei à conclusão que os dias ideais para lavar o cabelo são: Domingo/Segunda de manhã e Quinta de manhã.

 

Durante as próximas semanas vou testar e ver se me consigo manter fiel a este esquema.

  

Refeições 

Para mim a comida tem de ser nutritiva, saudável, saborosa e requerer pouco tempo de planeamento. Perder horas a pensar todos os dias no que quero comer, ir ao supermercado, cozinhar e depois comer tudo em 20 min não é para mim. Para otimizar o meu tempo gasto com comida, e pensar o menos possível no assunto, faço um menu semanal e só vou ao supermercado uma vez por semana.

 

Preparo todos os almoços no inicio da semana e guardo em caixas de vidro. Como sabem, de há um tempo para cá que os meus almoços são vegetarianos, e muito simples. Os jantares são mais elaborados, com uma proteína (frango / peru / carne de vaca / peixe) que serve de tema, com vegetais a acompanhar.

 

Para otimizar ainda mais as minhas idas às compras, e deixar de pensar em que vegetais comer, subscrevi uma cooperativa que todas as semanas entrega um cabaz de legumes biológicos. Vou receber o meu primeiro cabaz para a semana :D

 

 

Por enquanto roupa, cabelo e comida foram as áreas que consegui otimizar. Tem ideias de mais decisões que possam ser automatizadas? Ofereço-me para ser cobaia das vossas sugestões!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Qual o assunto de conversa para quando nos cruzamos com colegas na casa de banho do trabalho?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quero perder menos tempo sentada no sofá a olhar para coisas inúteis na internet. Quero perder menos tempo a tomar decisões que no final têm um impacto marginal na minha vida. Quero para de desperdiçar tempo e passar a investi-lo. Quero investir o meu tempo nas pessoas que gosto, a aprender, a descobrir o sitio onde vivo, a ler, a escrever no blog e a ser produtiva.

 

Para fazer uma análise precisa sobre onde ando a desperdiçar o meu tempo quando estou na internet, instalei uma série de apps que rastream os sites visitados e o tempo passado em cada um deles. A única app de que gostei foi o Webtime Tracker, fonte do gráfico que partilho com vocês.

Screen Shot 2018-01-19 at 00.04.41.png

Facebook 15%

Há dois anos apaguei o Facebook durante 40 dias. A minha produtividade aumentou e não senti que me faltasse algo. Passado o período de abstinência curei-me quase completamente do vício. Eu pensava que fazia um uso esporádico, até porque não não tenho a app do Facebook instalada no telemóvel, mas 4 horas em 15 dias é demais.

 

Quero usar o Facebook de forma mais consciente, mas ainda não deliniei nenhuma estratégia concreta (aceitam-se sugestões). 

 

9gag 10%

Não há desculpas. Este site é um completo desperdício de vida. Como não confio na minha força de vontade usei o StayFocused e bloqueei o site. Aproveitei e bloqueei também o Buzzfeed (1.85% de tempo desperdiçado).

 

Sapo + Reddit + Google + Youtube + Solarmovies  22%

Estes são sites produtivos. Uso o Sapo para o blog, o Reddit e o Google para aprender coisas novas, o Youtube para ouvir música e o Solar Movies para ver filmes/séries de maneira legalmente duvidosa. Como cada um destes sites ocupa uma pequena parte do meu tempo, por enquanto não estou preocupada.

 

Feedly 3.5%

Fiquei surpreendida por este site não estar entre os primeiros, mas a verdade é que uso mais o Feedly no telemóvel que no computador. Mesmo assim otimizei os tempo que passo a ler neste site. Primeiro refleti sobre o porque da minha lista de blogs.

 

           Motivo 1: para me entreter

           Motivo 2: para aprender coisas novas e explorar novos tópicos

 

Penso que o motivo 1 seja evidente, mas quero explicar melhor o motivo 2. Por exemplo, quando quero aprender sobre dermocosmética, ou aperfeiçoar a forma como me visto, ou motivar-me a fazer exercício, começo a seguir alguns blogs sobre o assunto. Assim, estou diariamente exposta aos assuntos que me interessam e é uma forma fácil e pouco intensa de aprender coisas novas.

 

Comecei por reorganizar os marcadores no Feedly nas categorias Beleza / Blogues / Comics / Exercício / Estilo de Vida / Teste. Depois analisei cada blog de forma crítica, removi os que deixaram de ser relevantes e organizei os restantes nos marcadores apropriados. 

 

 

Por enquanto estas foram as ações que tomei. Vou continuar com o Webtime Tracker ativado e daqui a uns meses volto a analisar onde ando a perder tempo.

 

E vocês, caros cinco leitores? Alguma vez fizeram um exercício semelhante? Contem-me!

 

Algures na próxima semana publicarei a continuação deste post em como otimizei o meu tempo offline.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ingredientes

1 saco de mistura de marisco congelada

1 molho de tomate* e legumes

Arroz                 

 

Picture1.png

 

Preparação

  1. Descongelar o marisco e passa-lo por água
  2. Colocar num tacho o molho de tomate + 1 medida** de água quente + 1/2 medida** de arroz + marisco
  3. Mexer de vez em quando para o arroz não pegar ao fundo
  4. Provar e acrescentar sal ou piripiri se necessário
  5. Desligar o lume antes do arroz ficar completamente cozinhado

 

(*) Em relação ao molho de tomate usem um de qualidade decente e com um sabor que gostem. Neste caso usei o Provençal, mas também gosto do Arrabiata que é um pouco mais picante. Só não vale usar molho Bolonhesa.

(**) Como medida usei o frasco do molho de tomate.

 

 

Nível 2

Fazer um refogado com cebola, tomates frescos, pimento e cenoura. Juntar o arroz, marisco e molho de tomate e deixar cozinhar.

 

Nível 3

Tenho a certeza que facilmente entram uma receita complicada e deliciosa na internet. Em traços gerais, a adição em relação ao nível 2, é comprar e cozinhar o marisco individualmente (cozer ou refogar de acordo com o tipo de marisco). Fazer um refogado, acrescentar o arroz e a água da cozedura do marisco. Juntar o marisco já cozinhado no final.

 

 

Se alguém completamente novo nas artes da cozinha tentar esta receita, deixe um comentário a narrar a experiência. Bom apetite.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

No seguimento do post Guia de como mudar de país/cidade.

 

Mais difícil do que dizer adeus a entes queridos e voar para um novo pais/destino, é todo o processo de enraizamento numa nova morada. Para saberem o que vos espera, e porque eu passei por isso recentemente aqui esta uma lista dos pontos que considero principais.

 

1. Encontrar casa

Ter um teto a que podemos chamar nosso é essencial para assentar num novo destino. Eu já partilhei algumas dicas no post anterior. Quero apenas acrescentar que ter pressa em encontrar casa pode resultar num sítio mais caro ou menos bom do que o originalmente previsto. Mas, de qualquer modo, é sempre possível mudar passados uns meses.

 

Nas duas situações em que movi de cidade com pouco tempo de antecedência, tive sorte e consegui alugar um apartamento em 3 dias.

 

2. Tornar a casa habitável

Mesmo que a casa esteja mobilada e "pronta a habitar" é sempre preciso comprar algumas coisas extra. Aqui esta a lista de coisas que considero essenciais e que comprei nesta ultima mudança:

1 lençol de banho

1 lençol + 1 édredon + 1 capa édredon + 1 almofada

1 tacho + 1 frigideira + 2 pratos + 3 talheres de cada + 1 colher de pau + 1 chávena

cabides + azeite + especiarias + sabão + papel higiénico

 

Apesar de haver muitos artigos para casa bonitos e fofinhos, tentei cingir-me a coisas essenciais e baratas. Consegui gastar apenas 15O€ e a almofada foi o item mais caro.

 

3. Fazer limpezas

Por favor digam-me que não sou a única maluca a fazer uma limpeza profunda a uma nova casa mesmo que ela pareça "limpa".  Isto inclui azulejos, portas, ventiladores, rodapés e, às vezes, paredes e tetos.

 

4. Encontrar atividades

Fazer atividades é uma boa forma de conhecer pessoas novas e de expandir horizontes para além da escola/trabalho. Podem começar por procurar aquilo que faziam na vossa terra de origem, ou então experimentar coisas totalmente novas.

 

Nas ultimas semanas experimentei (gratuitamente) uma aula de Crossfit, uma aula de Jiu-Jitsu Brasileiro, e uma aula de Kizomba. Também fiquei a conhecer os dois únicos bares desta terriola, visitei o monumento principal e fui a um museu. No futuro quero experimentar escalada, caminhadas a pé, esqui, bowling e conhecer a biblioteca.

 

5. Fazer amigos

Eu não sou a melhor pessoa para dar recomendações nesta área. O que eu tento fazer é expor-me ao maior numero de pessoas possível, socializar, e com sorte encontrar potenciais amigos.

 

Bons locais para conhecer pessoas novas são:

Boa sorte!

Autoria e outros dados (tags, etc)

09
Jan18

Review Serozinc

Produto

Serozinc, La Roche Posay (8.45€)

 

LP16440_big.png

Ingredientes

AQUA (99.15%)

SODIUM CHLORIDE (0.75%)

ZINC SULFATE (0.10%)

  

AQUA todos nós conhecemos e dispensa apresentações.

 

SODIUM CHLORIDE aka cloreto de sódio aka sal de cozinha. Outro ingrediente que dispensa apresentações que, no caso da cosmética, é utilizado como agente vinculante ou como espessante. A minha suposição (tendo em conta o meu muito limitado conhecimento de cosmética) é que o sal, em parte, ajuda a diminuir a oleosidade.

 

ZINC  SULFATE é utilizado para o tratamento do melasma (em concentrações de 10%)[1] e quando tomado sob a forma oral acelera a cicatrização[2]. No caso especifico do acne, a aplicação tópica de sulfato de zinco parece ter resultados irrelevantes[3][4].

 

A minha experiência

Já vou na segundo garrafa desta agua milagrosa que a internet tanto clama. Se noto alguma diferença na minha pele? Não sei dizer. No entanto, gosto do sentimento luxuoso de me borrifar com água que custa 82 euros por litro*.

 

Em relação à composição, a minha análise leva-me a crer que o Serozinc não passa de água em spray, com ingredientes pouco efetivos.

 

Produtos alternativos

Sensibio Eau Dermatologique, Bioderma (9.81€)

Água de Uva Bio, Caudalie (11.28€)

Eau Florale de Rose Bio, Melvita (11.50€)

 

 

(*) Eu não paguei este preço. Depois de correr 4 farmácias diferentes encontrei uma garrafa a 5 euros, o que baixou o custo para a módica quantia de 33 euros por litro

 

[1] Sharquie K. E. (2008). Topical 10% Zinc Sulfate Solution for Treatment of Melasma

[2] Iyer, L. M., Burroughs, A. M., Anand, S., Souza, R. F., & Aravind, L. (2017). Polyvalent Proteins, a Pervasive Theme in the Intergenomic Biological Conflicts of Bacteriophages and Conjugative Elements.

[3] Cochran R., Tucker S., Flannigan S.  (1985). Topical Zinc Therapy for Acne Vulgaris.

[4] Sharquie K. E. (2008). Topical therapy of acne vulgaris using 2% tea lotion in comparison with 5% zinc sulphate solution

Autoria e outros dados (tags, etc)

“Cagando estava a dama mais formosa,

E nunca se viu cu de tanta alvura”

- Bocage

 

 

Há uns tempos li um livro sobre o funcionamento e importância dos intestinos, cheio de anedotas interessantes e de factos que podem ser usados para desbloquear qualquer conversa de elevador. Apesar de não me lembrar de detalhes, há 3 lições que ficaram na minha memória e quero partilhar convosco.

 

I. Probióticos

O intestino esta populado por milhares de microrganismos que contribuem para o processo de digestão e que podem influenciar coisas tão variadas como inflamação sistémica, stress oxidativo, controlo glicémico, humor, acne, depressão, etc. As estripes e quantidade destes microrganismos são influenciadas pela nossa infância, hábitos alimentares e uso de antibióticos. Caso a nossa flora intestinal não seja ótima, é possível repopular o intestino utilizando probióticos.

 

Os probióticos nada mais são que microrganismos benéficos para os intestinos, encapsulados. As estripes mais vendidas e cujo efeito está mais estudado são os Lactobacilli e Bifidobacteria. Ao escolher um probiótico é importante considerar as estripes disponíveis, a concentração e a forma como estão encapsulados. Nalguns casos, a armazenagem ou transporte podem tornar os probióticos inviáveis.

  

A toma de probióticos tem apenas um senão, quando os probióticos deixam de ser tomados estes acabam por desaparecer do organismo.

 

II. Prebióticos 

Tão interessantes quanto os probióticos, mas menos célebres, são os prebióticos. De uma maneira simplista prebióticos são fibras não digeríveis que servem de "comida" para os microrganismos intestinais e podem melhorar a composição da flora intestinal. 

 

Os prebióticos podem ser consumidos através da alimentação ou de suplementos alimentares. Alimentos que contêm prebióticos incluem: raiz de chicória*, alcachofras, alho, alho francês, cebola, espargos e batatas/arroz cozidos e deixados arrefecer. Em relação a suplementos, o mais comum é sobre a forma de Inulin e encontra-se facilmente em lojas de suplementos online. A dose recomendada prebióticos para pessoas saudáveis é de 4 a 8 gramas por dia.

  

Eu tento tomar um copo de chicória dissolvida em água quente por dia. Como o sabor não é muito bom, misturo uma colher de sopa de chicória com uma colher de sopa de cacau e uma pitada de canela. Esta bebida tem aproximadamente 3gr de prebióticos. 

 

III. Posição de defecar

A forma ótima para defecar é numa posição agachada, bastante diferente da posição proporcionada pelos nossos tronos ocidentais. Ao defecar numa posição sentada, há um músculo que enlaça o reto e que o bloqueia, tornando necessário forçar para excretar. Pelo contrário, numa posição agachada este músculo deixa de servir de bloqueio, tornando o ato de excretar num exercício fluido.

 

Para quem não quer abdicar do conforto das sanitas modernas, mas quer usufruir dos benefícios de defecar numa posição anatomicamente correta, basta apenas colocar os pés num pequeno banco enquanto sentado na sanita. Este vídeo explica tudo:

 

 

Picture1.png 

 

Eu comprei o banquinho da imagem. É inacreditável, deixa de ser preciso fazer força para fazer cocó. Os dejetos fluem para forma do corpo auxiliados pela gravidade. Até o Momé, que no início achou o banco ridículo e inútil está convertido.

 

 

Concluído, para melhorar a saúde dos intestinos podemos tomar probióticos, comer prebióticos e defecar numa posição correta. Beber água e fazer exercício também também tem um impacto positivo.

 

Se me quiserem ajudar a enriquecer podem comprar o livro aqui

 

Boas cocózadas.

 

 

 

 

*Atenção ao escolher uma marca de chicória em pó, é sempre importante ler o rótulo e escolher a opção com maior percentagem de fibra.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ultimamente ando a achar que não faço nada de novo. Que passo demasiado tempo em frente ao computador e que a minha curiosidade pelo mundo diminuiu. Para contrariar este sentimento decidi compilar uma lista de coisas para aprender neste novo ano. Abri o Google, pesquisei "things to learn", "coisas para aprender" e escolhi o que me pareceu mais interessante. Aqui está a lista: 

 

  1. Algoritmos
  2. Aprender a aprender línguas depressa
  3. Árabe
  4. Canto
  5. Contar histórias de maneira interessante
  6. Decoração de interiores
  7. Desenhar
  8. Economia
  9. Esqui
  10. Estacionar em paralelo
  11. Excel
  12. Fazer auto-depilação às virilhas
  13. Fazer sombras com as mãos
  14. Fazer uma ligação direta
  15. Fotografia
  16. Identificar constelações
  17. Lembrar nomes de pessoas
  18. Maquilhagem
  19. Massagens
  20. Negociar
  21. Programar
  22. Psicologia
  23. Teatro
  24. Tricotar
  25. Xadrez
  26. Yoga

 

Para o primeiro trimestre de 2018 o meu objetivo é tentar o numero (9) e continuar a trabalhar o numero (11). No decorrer do ano espero voltar a esta lista e inspirar-me sobre coisas novas a aprender.

 

E vocês? Há algo novo que queiram aprender neste ano?

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2017
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2016
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2015
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2014
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2013
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2012
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ
  92. 2011
  93. JAN
  94. FEV
  95. MAR
  96. ABR
  97. MAI
  98. JUN
  99. JUL
  100. AGO
  101. SET
  102. OUT
  103. NOV
  104. DEZ
  105. 2010
  106. JAN
  107. FEV
  108. MAR
  109. ABR
  110. MAI
  111. JUN
  112. JUL
  113. AGO
  114. SET
  115. OUT
  116. NOV
  117. DEZ