Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Quando eu falo de uniformes não estou a falar de uniformes militares ou dos escuteiros. Estou a falar de combinações de roupa que podem ser usadas vezes sem conta, que são adequados ao contexto social e um reflexo de pessoa que os usa.

 

Há exemplos masculinos bastante conhecidos, por exemplo o Mark Zuckerberg usa t-shirts cinzentas, e o Steve Jobs era conhecido pelas suas calças de ganga + camisolas de gola alta pretas. Outro fã de uniformes, é o designer Karl Langerfield. A formula é sempre a mesma, pelos fatos + camisa branca + gravata larga + óculos de sol + luvas sem dedos, mas as peças vão variando.  

Untitled design (1).png

Os homens perceberam este conceito e utilizam um uniforme de maneira discreta há anos, chama-se "fato". E as mulheres? É menos comum. Talvez seja natural as mulheres preferirem a variedade, e gostarem de escolher um conjunto diferente e original todos os dias. Ou então não é uma característica intrínseca, mas sim a resposta a uma sociedade onde não é bem aceite que uma mulher ande com roupa parecida todos os dias. Outra potencial causa são as marcas de que roupa que precisam de vender muitas peças de roupa para fazer lucro e têm de criar uma procura constante.

 

Independentemente das razões pelas quais os uniformes femininos não são muito comuns, eu gosto da simplicidade do conceito e do descanso que traz à minha vida. Sinceramente, passo menos de um minuto a escolher a roupa que visto de manhã, porque tenho uma cápsula/uniforme de trabalho e porque utilizo esta técnica.

 

Para vos inspirar, caros 5 leitores, decidi pesquisar mulheres com visibilidade, bem-sucedidas profissionalmente, que utilizem uniformes com estilo no dia-a-dia e em aparições públicas.

 

Carolina Herrera

Copy of Facebook Ad – Untitled Design (1).png

 camisas brancas com cortes excecionais + saias pelo joelho

Eu conhecia a marca dela, mas não a sua imagem pessoal. A Carolina Herrera é de origem venezuelana, tem 79 anos e o seu uniforme é elegante e cheio de classe. 

 

Christine Lagarde 

Untitled design (2).png

fatos + lenços coloridos

Foi ela que me inspirou a escrever este post. Ficava sempre impressionada quando a via na televisão, com roupa feminina, simples, funcional, mas que ao mesmo tempo transmite uma imagem de poder e autoridade.

 

Angela Merkle 

 AM.jpg

fatos coloridos

Confesso que o uniforme da Senhora Merkle não me deixa muito inspirada. Mas sem duvida que a mulher mais poderosa do mundo têm de um guarda fatos à altura.

 

E vocês, conhecem mais alguns exemplos? Usam algum uniforme no vosso dia a dia?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Passei o fim de semana em em Malmö, uma cidade no sul da Suécia.

 

Foi uma viagem estranha, o céu esteve sempre cinzento e nunca me senti tão estrangeira como lá. Na Suécia tudo é deliberado e desenhado de maneira ótima. Os edifícios são quadrados para aproveitar o espaço, com janelas grandes para deixar entrar a pouca luz do sol. A comida é simples, sabor e saúde são o foco de cada prato, e há opções vegan em todos os restaurantes. Os espaços interiores são agradáveis, bem decorados e transmitem conforto. Não tirei uma única foto.

 

A atividade Senhorial desta viagem foi correr as lojas de roupa e tentar perceber o estilo Nórdico. A minha percepção é que a  maioria roupas é de cor simples, com poucos padrões e o foco está nos cortes. Deixo-vos as minhas peças favoritas, que quase comprei. 

40AP8N2SMQ_89873000_ahlens_front.jpg

WERA Stockholm

 

Picture1.png 

 WEEKDAY

  

Post escrito na Dinamarca, editado na Suiça e publicado em França. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fevereiro foi marcado por uma falta de disciplina geral e pela infrequência de posts no blog. Também não cumpri o desafio do Pedro Correia de Fevereiro. No mês passado, o desafio era comer proteína a todas as refeições. Quando planeio as minhas refeições faço-o de maneira a comer uma porção proteína, mas há dias em que acabo por comer coisas aleatórias. Conclusão, preciso de fazer um plano alimentar com pés e cabeça. Até porque desde o inicio do ano já perdi 5 kg, e agora está na altura de ganhar mais músculo, o que implica comer melhor.

 

Neste mês de Março, que já começou à 11 dias atrás, o desafio é mover o corpo

exercise-posters.jpg

Este é um desafio fácil, não tenho de ajustar nada no meu estilo de vida.

  • De Segunda a Sexta ando cerca de 30 minutos (vou e volto a pé do trabalho)
  • Segundas, Quartas e Quintas faço duas horas de desporto
  • Sábado e Domingo tento sempre fazer algum tipo de atividade física. Normalmente varia entre andar a pé, nadar, correr ou esquiar

 

E vocês? Como está o vosso nível de movimento diário?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Tal como para qualquer outra mudança de estilo de vida, antes de começar a jornada para a independência financeira é importante ter motivações claras. É importante encontrar um porquê que dê força nos momentos em que a motivação escasseia e que assegure que estamos a seguir o rumo certo, mesmo que ninguém compreenda as nossas escolhas.

 

Sugiro que façam o exercício descrito a baixo e que tomem algumas notas. Quando precisarem de motivação extra, podem sempre voltar ao que escreveram.

 

1. Pensem na vossa vida até aos dias de hoje

Qual é a vossa relação com o dinheiro? Em que alturas é que o dinheiro foi um constrangimento? Que escolhas deixaram de fazer? Em que momentos foi uma fonte de stress? Pelo lado positivo, em que situações é que o dinheiro foi uma fonte de alegria? Em que momentos sentiram o dinheiro proporcionou alivio?

 

2. Leiam os post de Fevereiro com atenção

 

3. Imaginem a vossa vida se fossem financeiramente independentes

Que sentimentos associam à independência financeira? Como seria uma vida sem stress financeiro e sem preocupações em pagar contas? Como ir iriam ocupar o vosso tempo? Continuariam no mesmo emprego? Que sonhos adiados iriam realizar?

 

4. Escrevam as vossas motivações para atingir a independência financeira

 

Só posso mudar minha vida. Ninguém pode fazer

 

Eu sempre tive uma vida confortável. Vivo num apartamento suficientemente grande para dois, com varanda, banheira e móveis modernos de madeira maciça. Como todos os dias comida nutritiva, saudável e saborosa (dentro das minhas limitações culinárias). Tenho calçado e roupa bonita & confortável em quantidade suficiente. Não tenho carro, mas posso caminhar para o trabalho ou para o centro da cidade em menos de 15 minutos. Se quiser viajar até mais longe posso apanhar um comboio, um autocarro, uma bicicleta ou uma boleia. Consigo voltar a Portugal com a frequência desejada (graças a paitrocínios).

 

Se tivesse mais rendimentos o que ia mudar?

  • Comprava mais algumas roupas (camisola de merino vermelha e casaco de penas da Uniqlo)*
  • Viajava mais
  • Comprava um Kobo e um telemóvel melhorzinho
  • Tinha alguém a fazer limpeza uma vez por semana

 

No fundo, nada fundamental ia mudar. Os pontos referidos a cima, podem ser atingidos com o meu nível atual de rendimentos, apenas necessitam de um pouco de planeamento e organização. Claro que um aumento de rendimentos será sempre bem-vindo, mas a verdade é que comprar mais coisas não vai influenciar ou meu nível de conforto ou de felicidade. Daí que o meu objetivo não seja ser milionária, como já tinha escrito anteriormente, mas sim ser financeiramente independente. 

 

Agora, quando for financeiramente independente, o que vai mudar?

¤ Não serei dependente de nada nem ninguém para fazer face às minhas despesas

¤ Se algo menos bom acontecer terei dinheiro suficiente

¤ Posso esperar até encontrar um emprego que goste verdadeiramente

¤ Terei liberdade para poder viajar / estudar / fazer voluntariado quando me apetecer

 

Como podem ler, as minhas motivações para atingir a independência financeira são muito mais fortes que simplesmente comprar mais coisas. Para mim independência financeira significa Liberdade e Segurança.

 

Liberdade para poder escolher, sem que o dinheiro seja um constrangimento. Liberdade para fazer períodos de “mini-reforma”. Liberdade para escolher empregos estranhos, sem que a remuneração seja um fator de escolha.

 

Segurança porque sei o meu nível de vida está assegurado. Segurança porque sei que no futuro terei uma reforma, mesmo que o Estado não me pague. Segurança porque sei posso voltar a Portugal numa emergência, ou pagar uma despesa médica, ou ajudar um familiar. 

 

Se a independência financeira me vai fazer mais feliz? Não sei. Mas espero que me traga paz de espírito e liberdade.

 

(*) Entre o momento em que escrevi o primeiro rascunho do post e hoje comprei estas duas peças.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2017
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2016
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2015
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2014
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2013
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2012
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ
  92. 2011
  93. JAN
  94. FEV
  95. MAR
  96. ABR
  97. MAI
  98. JUN
  99. JUL
  100. AGO
  101. SET
  102. OUT
  103. NOV
  104. DEZ
  105. 2010
  106. JAN
  107. FEV
  108. MAR
  109. ABR
  110. MAI
  111. JUN
  112. JUL
  113. AGO
  114. SET
  115. OUT
  116. NOV
  117. DEZ