Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Guia de como ser Senhora

Esta é a história de como me tornei senhora. Uma senhora a sério.

Guia de como ser Senhora

Esta é a história de como me tornei senhora. Uma senhora a sério.

Cápsula de verão & planos para os saldos

29.06.18, marttokas

O conceito de cápsula não é novo neste blog. Também já tinha explicado como organizo o meu guarda roupa para o trabalho. Para adaptar a cápsula à meteorologia, quando a estação começa a mudar vou adicionado (ou subtraindo) algumas peças ao meu guarda roupa até ao dia em que acho que o tempo já esta suficientemente estabilizado para rever a cápsula completamente. 

 

Foi o que aconteceu na semana passada. Com temperaturas consistentemente acima dos 10°C e os conteúdos da arrecadação aos montes pelos cantos dentro do apartamento, decidi rever e editar a minha cápsula. O primeiro passo foi lavar e tirar os borbotos à minha roupa invernal. Depois, dobrei-a e arrumei-a num sitio fora de vista, pronta para ser desempacotada quando o inverno chegar. Estando a roupa de inverno arrumada apenas sobrou a de verão. Foi um prazer redescobrir a roupa que estava dentro das caixas, um misto entre reencontrar um velho amigo e descobrir algo novo.

 

Como de costume, utilizei alguns critérios para escolher a roupa:   

  • Roupa em que me sinta física e psicologicamente confortável
  • Roupa que se adeque ao dresscode do escritório (que é muuuuito flexível) 
  • Suficiente peças para não andar sempre a lavar roupa, mas não demasiadas para ficar paralisada com excesso de escolhas.  
  • Evitar ao máximo roupa que tenha de ser passada a ferro 

 

E aqui está o resultado (numa tabela, porque tenho demasiada preguiça para tirar fotos):

tabela roupa.PNGFaltam-me algumas peças para completar esta cápsula e vou aproveitar o inicio dos saldos e a chegada do meu salário para as comprar.

  • Um par de calças adicional, de preferência fresco e de uma só cor
  • Um t-shit branca, de decote em V, de algodão de boa qualidade
  • Mais uma t-shirt para o trabalho, se encontrar alguma coisa de jeito 
  • Estou a refletir se me dou ao trabalho de procurar umas sandálias ou não 

 

Para o resto da minha vida, tenho roupa suficiente. Nestes saldos a prioridade máxima é encontrar uns jeans pretos e justos. Depois se encontrar um vestido longo bonito ou uma t-shirt, interessantes e a bom preço, pode ser que os compre.  

 

E vocês, qual é o vosso plano de ataque para os saldos? 

As Senhoras Reciclam

26.06.18, marttokas

Tenho me vindo a aperceber da enorme quantidade de resíduos que faço. Quando mudei de casa fiquei chocada com a quantidade de tralhas que deitei fora. Algumas delas em bom estado, outras perfeitamente inúteis, mas que acabaram todas num aterro algures no Planeta Terra.  

 

Eu até tenho bons exemplos à minha volta. Sempre se fez reciclagem e compostagem na casa dos meus pais, e sempre ouvi o meu Pai dizer "Não devemos comprar lixo". Um dos meus irmãos até se está a aproximar de se tornar desperdício-zero. 

 

Apesar dos bons exemplos, a gota de água que me despertou para a necessidade de levar uma vida mais ecológica, foi uma colega de trabalho que faz a própria pasta de dentes. Eu pensei, se ela consegue ter uma vida com o mínimo de impacto possível para o Planeta eu também tenho que começar a fazer a minha parte. 

 

Comecei por inspirar-me. Vi alguns vídeos no Youtube sobre desperdício-zero. Li alguns artigos. Estava cheia de força de vontade. E depois fui de férias e a vontade passou.  Agora que estou de volta à normalidade, decidi dar um pequeno passo no sentido de levar uma vida mais ecológica. Comecei a reciclar.  

 

É uma má desculpa, mas  cores do ecoponto franceses são diferentes dos portugueses, e eu nunca me dei ao trabalho de aprender as diferenças. A verdade é que na minha terriola-adotada reciclar é ainda mais fácil que em Portugal. É lixo para um lado, vidros (ecoponto Verde) para o outro e tudo o que é reciclável vai para o mesmo ecoponto (Amarelo). E a desculpa é nula, porque os caixotes de reciclagem ficam literalmente a 30 metros da porta do meu edifício. 

  

O meu plano de ação foi o seguinte: 

1. Fui ao site da cidade, informei-me sobre as cores dos ecopontos e sobre quais os desperdícios que podem ser reciclados 

2. Pus um caixote de cartão dentro do armário do lava loiça destinado exclusivamente à reciclagem 

3. Tenho andado a mandar os lixos recicláveis para dentro do caixote 

 

Como desafios antevejo a falta de vontade para despejar o caixote no ecoponto amarelo (eu detesto despejar lixo) e educar o Momé sobre a importância da reciclagem, quais os resíduos que podem ser reciclados, e convence-lo a agir em conformidade.  

  

Para vos alegrar aqui estão algumas estatísticas sobre lixo & reciclagem: 

  • Em Portugal reciclam-se cerca de 30,4%  dos resíduos urbanos
  • Cada português produz em média 464,5 kg de lixo por ano
  • Em França reciclam-se cerca de 39,7% dos resíduos urbanos
  • Cada francês produz em média  501 kg de lixo por ano

 

Como sei que há alguns leitores no Brasil também pesquisei algumas estatísticas que os possam interessar:  

  • Em 2012, cada brasileiro produzia em média 383 kg de lixo ao por ano.
  • O estado onde se produz menos lixo per capita é Santa Catarina (295 kg/pessoa/ano) e aquele onde de produz mais lixo é o Distrito Federal (584 kg/ano/pessoa).

As Aventuras de uma Senhora - Minimalismo

18.06.18, marttokas

6deae4a1a71f7e6a488a0eca6fb4ec62.jpg

Mesmo antes de saber que saber o que era o minimalismo eu já o era. Desde miúda que fazia destralhamentos anuais, que duravam o verão todo e que eram acompanhados de gritos de "incentivo" dos meus pais.

 

Descobri a filosofia do minimalismo quando comecei a pesquisar sobre a forma mais eficiente de andar vestida. Desde então li bastante sobre o assunto, vi documentários e cheguei à conclusão que para mim o minimalismo é ter apenas o que preciso. E que na verdade o que preciso não é assim tanto.

 

Sendo minimalista, tralha nos meus espaços é algo que dá comigo em maluca. Como na semana passada. Fiz mudanças desde Lyon até à minha terra atual. Consegui por os conteúdos de um apartamento mobilado dentro de um apartamento que já estava mobilado. Desde segunda feira que tenho uma cama no meio da sala de estar. Tinha tralhas, caixas e malas a montes pelos cantos, a minha mala de viagem semi desfeita e roupas atiradas para cima da cómoda. A tarefa de arrumar e limpar tudo parecia descomunal.

 

Procrastinei. Passei horas no sofá a vegetar sem comer. Tive de fazer uso do meu último resquício de força de vontade para decidir que só me ia deitar depois de arrumar a casa. Já era tarde, mas finalmente a bateria do meu portátil acabou e eu consegui libertar-me do poder gravitacional do sofá. Disse a mim própria que a perfeição é inatingível e que o objetivo era apenas tornar a casa habitável.

 

Movi tralhas de um lado para o outro, arrumei a roupa de inverno, varri o chão, arrumei a loiça lavada. Foi mais rápido do que tinha previsto. Ainda tenho tralhas a mais, ainda tenho que limpar a casa de banho e os vidros, mas estar em casa já não afeta a minha saúde mental.

 

Voltando ao minimalismo, como é que aquelas pessoas que vivem em casas minúsculas o fazem? Eu e o Momé nem temos assim tantas coisas, mas mesmo assim é difícil arrumar tudo nos nossos 36 m2. 

Estive de Férias

06.06.18, marttokas

2 semanas. 9 cidades. 7 países

 

1500km à boleia. 2 voos 

Carros, camiões, autocarros, ferries, metros, barcos, comboios, aviões, pernas

 

Screen Shot 2018-06-06 at 18.00.43.png

Escreverei com a regularidade do costume a partir da próxima semana.