Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O que é? 

Um fundo de emergência é um airbag financeiro. É uma reserva de dinheiro para fazer face às emergências que podem ser resolvias com dinheiro. É também uma fonte de fundos para aqueles que têm rendimentos variáveis, e precisam de continuar a viver nos meses em que recebem menos.

 

Porquê? 

Porque ter uma reserva de dinheiro aumenta a tranquilidade.

 

É um grande redutor de stress saber que comida, teto e banhos regulares estão assegurados, mesmo que haja uma diminuição súbita de rendimentos, um acidente, desemprego, despesas de saúde inesperadas, visitas de urgência a família & amigos que estão longe, reparações do carro ou da casa, etc.

 

Para mim que sou emigrante, é particularmente importante saber que o custo de um bilhete de última hora não me vai impedir de estar próximo dos meus em caso de urgência.  

 

Como? 

Calculem as despesas mensais que têm mesmo de pagar. Eu incluo renda/ prestação casa, outras prestações (por exemplo do carro), contas regulares (agua, luz, internet, telefones), comida, transporte, gasóleo, etc. A finalidade é determinar um montante com o qual se sintam confortáveis a viver durante um mês. 

 

Multipliquem este montante pelo número de meses que querem sobreviver sem rendimentos. Os expertos aconselham ter um montante equivalente a 3 a 6 meses de despesas.

 

O fundo de emergência pode ser guardado de várias formas. Debaixo do colchão é uma opção mas, para quem confia no sistema bancário, o melhor é deposita-lo numa conta facilmente acessível, que possa ser mobilizada a qualquer momento. O ideal é que o fundo de emergência esteja numa conta separada da usada para despesas correntes, para que haja uma barreira psicológica que impeça o uso deste dinheiro de forma leviana. 

 

Dois últimos pontos 

Caso o fundo de emergência seja utilizado, o montante deve ser reposto o mais rapidamente possível.

 

A maior parte da literatura que tenho analisado sobre finanças pessoais e independência financeira é escrita por americanos que não têm o luxo de ter uma verdadeira segurança social. Na Europa estamos mais protegidos e, nalguns casos, podemos contar com o airbag do governo (pago pelos nossos impostos). 

 

Como já dizia a minha avó:

O dinheiro não é de quem o ganha, é de quem

 

Nos últimos seis meses esforcei-me. Apesar do meu magro salário consegui construir um pequeno fundo de emergência. Atingi uma taxa de poupança de 16%, superior à taxa de poupança média na UE de 10%.  Mesmo assim, ao ler online sobre independência financeira e reforma antecipada (FIRE em inglês), descobri que há pessoas que têm filhos e empréstimos à habitação e mesmo assim conseguem ter taxas de poupança superiores a 50% .  

 

Como o meu salário duplicou (adeus vida de estagiária) e eu conto manter um estilo de vida semelhante com apenas algumas viagens a mais, espero atingir uma taxa de poupança de 50% e aumentar em 6 vezes o montante poupado mensalmente. O destino imediato desta poupança é o meu fundo de emergência. Preciso de saber que tenho uma almofada onde cair senão não estou descansada e consigo stressar toda a gente à minha volta.  

 

Para calcular o tamanho do meu fundo de emergência comecei por calcular as despesas médias para me manter viva. Como anoto todas a minhas despesas no TOSHL e tenho uma tag exclusiva para despesas de vida obtive o valor automaticamente. Na verdade, até fiquei surpreendida porque é mais baixo do que aquilo que eu tinha estimado. 

 

Multipliquei o as minhas despesas-para-continuar-viva por 3, o valor mínimo recomendado, e encontrei o objetivo-magro para o meu fundo de emergência. Não é um valor intimidante e já tenho mais de metade do montante poupado. O objetivo é rechear o fundo de emergência-magro até agosto.  

 

Como o valor magro do fundo de emergência não me deixa muito descansada, decidi calcular o montante do fundo-de-emergência-gordo. Simplesmente multipliquei o meu salário liquido por 3. O meu objetivo é ter este montante na minha conta poupança até janeiro.  

 

Por último, para não me esquecer de quais são os meus objetivos e de quando os quero alcançar, escrevi os dois números na folha de Excel que utilizo para fazer a minha reunião monetária. Assim olho para eles todos os meses e faço a transferência para a minha conta poupança em conformidade.  

 

Têm fundo de emergência? 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Imagem de perfil

De Descontos a 08.08.2018 às 09:17

Sim! O fundo de emergência é importantíssimo.
Imagem de perfil

De marttokas a 23.08.2018 às 12:02

Eu entro em stress de cada vez que o meu fundo de emergência está a baixo dos minímos.

Comentar post



Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2017
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2016
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2015
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2014
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2013
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2012
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ
  92. 2011
  93. JAN
  94. FEV
  95. MAR
  96. ABR
  97. MAI
  98. JUN
  99. JUL
  100. AGO
  101. SET
  102. OUT
  103. NOV
  104. DEZ
  105. 2010
  106. JAN
  107. FEV
  108. MAR
  109. ABR
  110. MAI
  111. JUN
  112. JUL
  113. AGO
  114. SET
  115. OUT
  116. NOV
  117. DEZ