Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Guia de como ser Senhora

Esta é a história de como me tornei senhora. Uma senhora a sério.

Guia de como ser Senhora

Esta é a história de como me tornei senhora. Uma senhora a sério.

Como aceitei a minha brancura

28.08.18, marttokas

Antes de ir de férias estava a pensar escrever um post sobre como bronzear, pensei mesmo em tomar suplementos para aproveitar ao máximo os 3 dias de praia que tive este ano. Rapidamente percebi que por muito dedicadamente que trabalhasse para o bronze, dificilmente ia conseguir ficar com um tom dourado-maravilhoso. Não é que eu seja tão branca que não consiga bronzear, mas desde que comecei a trabalhar, em vez de ir à praia, passo o verão em frente a um computador. Como resultado a minha cor mantém-se mais ou menos uniforme o ano todo.

 

Não aconteceu de um momento para o outro, mas este ano, ao aperceber-me da impossibilidade de me bronzear, decidi aceitar a minha cor. Espero que possam usar a mesma técnica que eu para aceitar a vossa brancura, ou outras características físicas com que não se sintam confortáveis.

 

Este método é totalmente não cientifico, fruto do acaso e da minha experiência.

 

1. Decidi que me quero aceitar como sou

Sou branca. Não vou conseguir mudar isto este ano. Vou aceitar a minha cor.

 

2. Vi uma pessoa feia* bronzeada

Eu vi uma colega de trabalho que não considero bonita extremamente bronzeada. Como o bronze não fez nada pela beleza dela comecei a associar na minha mente bronze = pouco bonito.

 

3. Vi imagens de pessoas que além de bonitas* são pálidas.

Não consegui voltar a encontrar, mas houve uma imagem especifica que me fez pensar que uma cor mais clara também é bonita. Foi aí que percebi que não faz mal ser branca.

 

4. Disse a toda a gente que me aceito como sou

Além de dizer à minha família que aceito a minha brancura, também tive de resistir aos infindáveis comentários sobre a minha falta de cor. E não me esqueci de usar protetor e de me pôr debaixo do chapéu quando o sol estava mais forte.

 

5. Tentei não me comparar com os outros

Principalmente não me comparar com a minha prima, que depois de 5 minutos ao sol fica com marcas de bikini.

 

 

Aceitar o meu corpo nem sempre é fácil. É um percurso que começou na adolescência e ainda não está terminado. Há alturas em que penso que aceitei completamente as minhas características físicas, e depois apercebo-me de qualquer coisa que me baixa a moral. No caso deste post, como sou branca o ano todo, só precisei de fazer um pequeno ajuste mental. Demorei bastante mais tempo a aceitar as minhas pernas, ou a sentir-me confiante com uma depilação menos que perfeita.

Aceito a minha brancura

Aceito o meu único (por enquanto) cabelo branco

Aceito que as minhas pernas tremam um bocadinho

Aceito que o meu cabelo seja encaracolado

Aceito os dedos das minhas mãos 

 

Não aceito o pelo que me nasce de um sinal do queixo. Cortei-o.

Não aceito os 3 kilos que tenho a mais. Comecei a ir ao ginásio 3 vezes por semana e estou, timidamente, a ajustar o meu plano alimentar.

Não aceito o meu acne. Aprendo sobre cosmética, sobre cuidados com o rosto e ponho em pratica o qu aprendo.

 

A vida é muito mais agradável se achar que o reflexo que o espelho me devolve é bonito e maravilhoso. Portanto, ou mudo ou me aceito como são.

 

*o bonito e o feio são muito relativos

2 comentários

Comentar post