Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ser Senhora

Esta é a história de como me tornei Senhora. Uma Senhora a sério.

Ser Senhora

Esta é a história de como me tornei Senhora. Uma Senhora a sério.

Livros que li em 2020

Dezembro 21, 2020

1. A Arte e os Artistas do Vale do Côa, Luís Luís

Comprado depois de uma visita guiada às pinturas rupestres do Côa. Tanto a visita como o livro me abriram perspetivas sobres humanos iguais a nós, a viver num planeta muito semelhante, mas com vidas completamente distintas e inimagináveis de acordo com os padrões da sociedade de hoje.

2. Civilized to Death: the Price of Progress, Christopher Ryan

Apesar de não considerar este livro bem escrito, vale a pena pelas partes boas. Mudou completamente a minha perspetiva sobre o humano na natureza, a vida pré-agricultura e a abundância a que já tivemos acesso.

3. There is no Planet B, Mike Berners-Lee

A minha tentativa de perceber o abismo ecológico do qual nos estamos a aproximar, sempre com uma perspetiva positiva, focada em soluções.

4. Les Trésors de Picsou, Don Rosa

Banda desenhada do meu autor favorito, sobre o meu pato preferido.

5. O Céu Dentro de Ti, Graça Gonçalves

Uma prenda antiga que quis reler.

6. Wilding, Isabella Tree

Um audiobook narrado pela própria autora, que me surpreendeu muito (nunca tinha ouvido livros áudio antes), sobre o poder regenerador da natureza quando é deixada sem (ou limitada pela) intervenção humana.

7. Introdução à Pintura a Óleo, Ray Smith

Além do Bob Ross, também contei com este livro para as minhas atividades criativas da quarentena.

8. The Ocean at the End of the Lane, Neil Gaiman

Um outro audiobook, narrado pelo mítico Neil Gaiman. Nos círculos da literatura fantástica, Neil Gaiman é um dos grandes mas, apesar de já ter lido alguns livros dele, nunca tinha conseguido perceber o génio. Até ao momento que ouvi este audiobook. É um daqueles livros que nos deixam com um sabor agridoce ao chegarem ao fim, e que me deixou a pensar em coisas que nem sabia que estavam em mim. Genial de facto.

9. Doughnut Economics, Kate Raworth

Identifiquei-me muito com este livro porque aborda tudo aquilo que achei que não fazia sentido enquanto estudei economia.

10. How not to Fall, Emily Foster

Literatura erótica de um ponto de vista feminino. Escrito por uma sexóloga. 

11. Heartstopper, Alice Oseman

Pelo titulo parece-me literatura cor-de-rosa, mas não me consigo lembrar do conteúdo do livro. Afinal é um romance gay em banda desenhada.

12. Un Barrage Contre le Pacifique, Marguerite Duras

Literatura francesa. Para não me esquecer do francês.

13. Sexus, Henry Miller

Um grande clássico americano, que estava na estante do meu tio. Um bocado estranho, às vezes quase vulgar, mas completamente genial.

14. Great by Choice: Uncertainty, Chaos & Luck, Jim Collins

Descobri este autor num podcast e correspondeu à expectativa. Este livro, ao contrario do típico-livro-americano-de-empreendedorismo-ou-auto-ajuda, não se foca numa única ideia repetida ad nauseum e derivada da experiência de vida do autor. Há ciência a sério nas fundações deste livro e pelos menos 4 ideias chave diferentes.

15. Les 5 Blessures qui Empêchent d'Être soi même, Lise Bourbeau

Uma tímida incursão nos livros de auto desenvolvimento, recomendado por um amigo. Ainda não acabei.

Screen Shot 2020-12-21 at 22.09.29.png

Cada um dos livros desta lista trás consigo não só a memória do seu conteúdo, mas também o local onde o li e a etapa da vida onde estava. Mais do que noutros anos, em 2020 a minha lista de leitura reflete as alterações da minha vida. Uma visita a Foz Côa no inicio do ano, a mudança para Londres e o interesse em questões ambientais, o voltar a Portugal e re-descobrir livros antigos, o clube de leitura de que fiz parte, o verão e novos desafios profissionais. Se o "tema" das leituras de 2020 foi tentar perceber o mundo, no final deste ano houve uma viragem para tentar perceber-me a mim própria (que penso que vai continuar em 2021). 

Livros que li em 2019

Janeiro 23, 2020

1. Anna Karénina, Lev Tolstoi

Nunca li um livro com personagens tão realista.

2. Hippie, Paulo Coelho

Não gostei. Parece que foi escrito só porque o autor tinha de publicar qualquer coisa este ano.

3. Lolita, Vladimir Nabokov

Outro autor russo. O que mais me chocou foi que apesar do livro ser sobre uma rapariga chamada de Lolita, não sabemos nada sobre ela. O leitor apenas a vê pela lente obsessiva e unidimensional do narrador-protagonista.

4. Catching Caden, Samantha Christy

Literatura cor de rosa.

5. Famille Zéro Déchet, J. Pichon & B. Moret

Para me motivar a fazer menos desperdício e praticar o francês.

6. An All Consuming Century, Gary S. Cross

Sobre o desenvolvimento da sociedade consumista ao longo dos últimos 100 anos, com um foco nos Estados Unidos.

7. Les Jardins de Lumière, Amin Maalouf

Uma biografia ficcionada sobre Mani, um profeta quase esquecido.

8. The Moment of Lift, Melinda Gates

Um abre-olhos sobre os desafios que as mulheres enfrentam em países em desenvolvimento.

9. Warbreaker, Brandon Sanderson

Literatura fantástica, disponibilizada gratuitamente pelo autor aqui.

10. I Will Teach You to Be Rich, Ramit Sethi

Tem alguns princípios interessantes, mas é demasiado americano para ser muito útil a alguém que viva na Europa.

11. Stone Vows, Samantha Christy

Mais literatura cor de rosa. 

12. The Five Love Languages, Gary Chapman

De acordo com o autor cada pessoa pessoa tem uma maneira principal de expressar e receber amor, são elas: receber/dar presentes, tempo de qualidade, palavras de afirmação, atos de serviço, toque físico. 

13. O que Farei Quando Tudo Arde, António Lobo Antunes

Demorei meses para terminar. Não gostei.

14. Under Heaven, Guy Gavriel Kay

Mais literatura fantástica, desta vez de um dos meus autores preferidos.

15. Inês, João Aguiar

Gostei. O segundo livro de um autor português que li este ano.

Screen Shot 2020-01-18 at 22.26.10.png

Li menos livros que no ano passado. Li mais ficção. Li mais em português. Li também demasiados livros de autores dos Estados Unidos. Às vezes sinto que estou demasiado exposta a conteúdo americano, e sofro uma espécie de "colonização cultural" que quero corrigir este ano.

Boas leituras para 2020. 

Ajudem-me #2

Novembro 19, 2019

Alguém pode partilhar sugestões de livros de autores portugueses?

Um dos meus objetivos para 2019 é ler 4 livros de autores portugueses. O ano já ia a mais de meio quando comecei a ler o primeiro livro, "O que farei quando tudo arde" de António Lobo Antunes. Estrategicamente, não foi a melhor escolha. Demorei quatro meses a ler o livro e foi só graças  à minha teimosia persistência que o consegui acabar. Se quiser atingir o meu objetivo só tenho um mês e meio para ler 3 livros, o que é irrealista. Mas, como não gosto de desistir, principalmente de objetivos que propus a mim mesma, quero começar outro livro de um autor/a português/a. De preferência uma historia que faça sentido. E que seja prazerosa de ler. E que tenha um final feliz. Alguém tem sugestões?

Livros que li em 2018

Dezembro 16, 2018

Screen Shot 2018-12-16 at 21.42.26.png

1. Grain Brain, David Perlmutter

Sobre os efeitos do glúten no cérebro.

2. Come as you Are, Emily Nagoski

Recomendo a todas as mulheres e todos os homens que têm relações sexuais com mulheres.

3. To Kill a Mockingbird, Harper Lee

Porque me fartei de livros digitais e tinha este em casa.

4. Ravage, René Barjavel

Ficção científica à francesa.

5. Man's Search for Meaning, Viktor E. Frankl

Porque estava à procura de sentido (e achei, mais ou menos).

6. L'Étranger, Alberto Camus

Um clássico francês. Não gostei.

7. The Tenant of Wildfell Hall, Anne Brontë

Outro livro em papel que tinha cá em casa.

8. Contos, Eça de Queirós

O meu autor favorito. Tento ler um livro de Eça por ano.

9. The Perfect Hope, Nora Roberts

Porque às vezes gosto de literatura cor-de-rosa.

10. O Jogo do Dinheiro, Tony Robbins

A minha review aqui.

11. Famille Zéro Déchet, Thierry Souccar

Ainda não acabei.

12. The Buried Giant, Kazuo Ishiguro

Porque queria ser culta e ler um Nobel da Literatura.

13. Ghost Flight, Bear Grylls

Muita ação e técnicas de sobrevivência, tipo literatura cor-de-rosa para homens.

14. Capitalism without Capital, Jonathan Haskel and Stian Westlake

Porque quis ler algo académico e diferente do que costumo ler.

15. La Magie du Rangement, Marie Kondo

A minha aventura de destralhamento aqui.

16. The Stranger in the Woods, Michael Finkel

Não tinha mais nada que ler no comboio.

17. The Perennial Philosophy, Aldous Huxley

Ainda não acabei.

18. Stealing Sawyer, Samantha Christy

Não tinha mais nada que ler no comboio.

19. Tools of Titans, Tim Ferris

Quando acabar estou a pensar fazer uma review deste livro.

20. La Petit Fille de Monsieur Linh, Philippe Claudel

Estou quase a acabar.

O Jogo do Dinheiro, Tony Robbins

Agosto 03, 2018

Decidi fazer uma review do livro O Jogo do Dinheiro de Tony Robbin, porque me forcei a ler 600 páginas e quero que outros beneficiem do livro sem ter de passar pelo mesmo tormento.

O-Jogo-de-Dinheiro.jpg

Eu achei o livro repetitivo, com muita palha, exemplos anedóticos e material que só interessa a americanos.  Como não leio sobre finanças para ser entretida, prefiro livros com conteúdo mais denso. Apenas recomendo este livro para quem é iniciante no caminho da independência financeira, gosta de material levezinho e tem resistência para ler 600 páginas.

 

Apesar de tudo, aprendi algumas coisas. Escrevi 6 páginas de notas e esquemas sobre a minha visão sobre independência financeira, defini objetivos numéricos e fiquei com ideias concretas em relação a uma futura alocação de ativos (em que me vou focar depois de encher o meu fundo de emergência).

 

Para quem tem o livro disponível e está a ter dificuldade em percorrer as 600 páginas, deixo a lista dos capítulos que considero fundamentais. Para alguns capítulos escrevi um pequeno resumo, porque achei que a informação neles contida era excecional e que valia a pena partilhar os pontos mais interessantes.

 

O jogo do dinheiro, Tony Robbins – capítulos selecionados

 

Capítulo 2.1 Mito 1: A mentira dos 13 biliões, investe connosco vamos vencer o mercado

 

Capítulo 2.2 Mito 2: "As nossas comissões? São um pequeno preço a pagar!"

 

Capítulo 3.1 Qual é o preço dos teus sonhos: torna o jogo ganhável

 

Capítulo 3.3 Acelera 1: Poupa mais e investe  a diferença

 

Secção 4 Faz a mais importante decisão de investimento da tua vida.

Este capítulo é sobre alocação de ativos. Como eu nunca tinha lido sobre o assunto, este foi o capítulo que me trouxe mais valor. Depois de o ler e de explorar alguns assuntos específicos ao pais onde vivo no Reddit, desenhei um plano concreto, que inclui as classes de ativos onde quero investir, as percentagem a alocar a cada tipo de ativo, os produtos que vou escolher e a prioridade com que investir em cada produto.

 

Capítulo 6.2 David Swensen 23,9 mil milhões de dólares de trabalho voluntário

Este capitulo é um sumario rápido do livro e explica as bases da independência financeira. O Sr. Swensen tem gerido com sucesso o fundo de doações da Universidade Yale de $25.4 biliões e, apesar da enormidade do fundo que gere, na entrevista David Swensen transparece ser alguém devotado ao trabalho, não pelo dinheiro mas pelo sentido de serviço.

 

Capítulo 6.5 Paul Tudor Jones: O Robin Wood dos tempos modernos

Capítulo 6.10 Maec Faber: o bilionário que chamavam dr. fim do mundo 

Capítulo 6.11 Charles Schwab: falando com Chuck o intermediário do povo

Capítulo 6.12 Sir John Templeton: O maior investidor do século XX?

 

Para além dos capítulos listados acima quero partilhar convosco 3 frases. Foram frases que que alteraram subtilmente a forma como vejo o mundo, o que é um feito.

 

"Mas o problema é o seguinte, toda a gente diz "vou dar quando estiver melhor". E eu também costumava pensar assim. Mas posso-te garantir o seguinte: mereces começar desde já, mesmo que penses que não estas pronto. Mesmo que penses que não tens nada para dar. Porquê? Porque (…) se não deres 10 cêntimos num dólar, não vais dar 1 milhão em 10 milhões , ou 10 milhões em 100 milhões".

 

Esta frase ressoou comigo. Eu estive na fase "vou dar quando estiver melhor" durante muito tempo, apesar de intelectualmente reconhecer a importância de dar. Com a leitura do O Jogo do Dinheiro percebi que a melhor altura para doar é agora. Enquanto não tenho um a estratégia efetiva para tornar doações parte da minha rotina (por exemplo com o Kiva), decidi começar por dar 10 euros no peditório da minha igreja. Pode não ser muito, mas ao menos fiz uma ação concreta. Confesso que na hora ainda tive alguns pensamentos de indecisão, mas depois forcei-me a deixar cair a minha nota desde a carteira até ao cesto do ofertório.

 

"Depois de dominar o tempo, vais entender como é verdade que a maioria das pessoas sobrestima o que pode realizar num ano - e subestima o que pode conseguir numa década!"

 

Este é um pensamento que já me tinha ocorrido há algum tempo. Para mim, a melhor maneira de atingir objetivos de longo prazo, é fazer pequenas ações regularmente que resultam em melhorias incrementais. Uma grande decisão, que requere um grande esforço, normalmente não leva a mudanças duradouras e sustentáveis.

 

Por exemplo, eu quero ter uma pele sem imperfeições. É impossível ter uma pele perfeita de um dia para o outro (eu já tentei e não resultou). A solução que funciona a longo prazo é desenhar uma rotina adequada, e implementa-la consistentemente. Desde que dedique algum tempo à minha pele de manhã e à noite, posso abstrair-me do objetivo final (que só se concretizará daqui a meses) e aproveitar o caminho.

 

Por exemplo eu quero ter um fundo de emergência de um determinado montante. Em vez de fazer um sacrifício enorme num mês, ou agonizar perante o meu baixo nível de poupanças posso por de lado X euros por mês. Assim crio um hábito de poupança mensal e quando for a dar por ela o meu fundo de emergência vai estar cheio. 

 

prática de gratidão diária do Tony Robbins.

 

Esta prática permite focar a mente nas coisas boas da vida, nos grandes objetivos e remove as "ervas daninhas" dos maus pensamentos. Foi uma das partes melhores do livro porque o Sr. Robbins escreve sobre aquilo em que é realmente bom: coaching. Estou a pensar testar esta prática durante 10 dias. Vocês querem que eu reporte a minha experiência aqui no blog?  

 

Obrigado irmão por me emprestares o livro.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D