Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ser Senhora

Esta é a história de como me tornei Senhora. Uma Senhora a sério.

Ser Senhora

Esta é a história de como me tornei Senhora. Uma Senhora a sério.

Avaliação Financeira - Janeiro a Abril 2019

Maio 11, 2019

Macro Avaliação

Nos primeiros quatro meses do ano não prestei a atenção devida ao meu dinheiro. O facto de ter um salário mais do que suficiente, conjugado com alguma preguiça levaram a que não apontasse as minhas despesas diariamente. Para piorar, também não poupei com regularidade, não doei quase nada e relaxei de mais nos meus gastos. Não fiz nenhuma “loucura”, mas não tive a mesma contenção que em 2018.

 

Os meus rendimentos médios mensais tiveram um aumento de 50%  enquanto que os meus gastos médios mensais tiveram um aumento de 10%. Fiquei contente porque apesar de estar a gastar mais do que no ano passado, o aumento não foi assim tão grande e nao cai na armadilha do life style inflation (inflação do estilo de vida).

 

Análise de despesas rubrica a rubrica

Como não apontei nada no dia a dia, tive de importar os meus extratos bancários no Toshl. Não foi tão fácil quanto esperava. Também fiz despesas em numerário que não foram registadas e houve despesas divididas entre mim e o Momé que não foram tomadas em conta. Resultado, o gráfico a baixo não é totalmente fiável, mas pelo menos da uma ideia de onde é que o dinheiro anda a desaparecer.

Screen Shot 2019-05-11 at 20.54.36.png

17% em comida. A comida é algo que não trás muito valor para a minha vida, desde que seja saudável e suficiente fico satisfeita. Apesar de percentualmente os meus gastos em comida serem menores que no ano anterior, em valor médio tiveram um aumento de +100€ mês. Porquê? Porque tenho andado a comer fora demasiadas vezes, deixei de olhar para os preços dos produtos no supermercado antes de os por no carrinho e, devido a mau planeamento, deixei estragar comida algumas vezes. Mea Culpa.

 

12% na casa. Continuo a morar no mesmo apartamento de 36 m2, com as mesmas despesas de eletricidade e seguro. Nada de interessante neste ponto.

 

9% em transporte. Este ano tenho alugado carro mais vezes e durante mais tempo para explorar a região onde vivo. Como ainda só fui a Portugal uma vez este ano (com um pai-trocínio), as minhas despesas em transportes estão anormalmente baixas.

 

4% em desporto. Os gastos médios mensais nesta rubrica aumentaram em 84%. Comprei um pacote de 10 aulas de equitação e fiz uma aula de esqui. Foram duas despesas elevadas, mas que contribuíram muito para a minha felicidade e para a minha qualidade de vida. Foram excelentes gastos.

 

0.09% em doações. Pelo menos é maior que zero, mas é muito inferior aos 2% do meu objetivo.

 

Não tenho grande coisa a dizer em relação ao resto das despesas. Continuo a gastar dinheiro de mais na lavandaria (é triste não ter maquina de lavar em casa). Comprei umas botas em Janeiro e um casaco para o Momé o que levou a que as minhas despesas médias em Roupa / Calçado / Beleza aumentassem.

 

Objetivos para 2019

No final de 2018 decidi alguns objetivos. Aqui está a avaliação dos primeiros 4 meses.

 

Taxa poupança: 30%. No gráfico a minha taxa poupança aparece um pouco inflacionada porque há poupanças referentes a ordenados de 2018 que só foram transferidas em Janeiro de 2019. Em Abril fiz um ajustamento para ter uma taxa poupança de 30% e agendei transferências automáticas para a conta poupança.

 

Taxa doações: 0.09%. Muito a baixo do objetivo. A partir de Junho tenho um pagamento automático ao Armé du Salut. Em dezembro vou corrigir a minha taxa de doações de maneira a atingir o objetivo com doações natalinas.

  

Comprar voos com antecedência. Em vez de comprar voos com antecedência tenho andado a adiar as viagens que quero fazer. Não é de todo o pretendido.

 

Mudar de apartamento. Talvez em Setembro, por enquanto não é uma prioridade.

As Senhoras são Milionárias - Rendimentos

Abril 23, 2019

Durante a semana que passou, o meu desafio pessoal foi analisar os meus rendimentos. Comecei por refletir sobre as diferentes formas de ganhar dinheiro. Depois de muito pensar, cheguei à mesma conclusão que um dos gurus das finanças pessoais que li há uns anos. Como não vale a pena inventar a roda, aqui esta a tabela que o Sr. Robert Kiyosaki, mas com as minhas interpretações pessoais:

Screen Shot 2019-04-22 at 11.47.39.png

No lado esquerdo da tabela o dinheiro é obtido ao vender tempo, enquanto que do lado direito, a geração de dinheiro não está limitado pelas 24h humanas, o que pode resultar em retornos maiores.

 

  1. Vender o nosso tempo a uma empresa. Quem vende tempo a empresas são conhecidos como empregados. Neste caso a melhor estratégia é dominar um tipo de conhecimento especifico, valorizado pelo mercado de trabalho, arranjar um emprego e esperar pelos aumentos e promoções. Este também é o caminho mais fácil porque vai de acordo com as expectativas sociais. Se ainda forem a tempo de escolher a vossa profissão, e o dinheiro for o único fator motivante, aqui têm uma lista das profissões mais bem remuneradas

 

  1. Vender tempo a clientes. A maneira de implementar está técnica é semelhante à do ponto anterior, com a vantagem (ou não) de serem o próprio patrão. Além das competências específicas, também é preciso saber vender, manter uma relação com o(s) cliente(s), cobrar, tratar da contabilidade, etc. Além dos profissionais liberais (por exemplo artistas tauromáticos e sacerdotes) há também freelancers, que trabalham à distância e usam plataformas digitais para angariar projetos.

 

  1. Criar um sistema que crie dinheiro, normalmente chamado empresa. Não sei o suficiente sobre ser empreendedor para me alongar muito no assunto mas, daquilo que que li, há 3 opções e todas elas dão mais trabalho que trabalhar das 9 às 18 todos os dias.
    • Criar uma empresa "tradicional" que crie valor para a sociedade e dê um lucro todos os anos.
    • Entrar na moda das startups, aumentar a valorização da empresa e vende-la.
    • Criar uma Musa (à la Tim Ferris).

 

  1. Por o dinheiro a criar dinheiro. Esta é a categoria dos investidores, que dominam a técnica da procriação do dinheiro. Os investimentos mais básicos são depósitos a prazo e certificados do tesouro. Depois destes, a complexidade e o risco aumenta, há fundos EFT, ações e obrigações, produtos financeiros exóticos, imobiliário... a lista continua, mas apenas nomeei alguns porque ainda estou me estou a educar sobre o assunto. 

 

E aqui está a tabela com as minhas fontes de dinheiro: 

Screen Shot 2019-04-22 at 11.47.53.png

(1) Recebo um salário em troca de 8 horas da minha vida, 5 dias por semana. Mudei de equipa em Março e desde então estou a gostar do meu emprego.

(2) Costumo fazer "consultoria" pontual a uma startup e recebo à hora.

(4) Também sou investidora! Só este ano, já recebi 36 cêntimos da CGD.

(outros) Para além da tabela do Sr. Kiyosaki identifiquei outra forma de “ganhar” dinheiro, receber subsídios do Estado. O ano passado estava a receber um apoio ao alojamento, este ano ainda não recebi nada, tenho  perceber porquê.

As Senhoras são Milionárias - Objectivos 2019

Abril 09, 2019

O meu desafio para este mês é rever as minhas finanças pessoais. Tinha pensado em começar pelas despesas e fazer uma análise dos meus gastos no primeiro trimestre, no entanto tenho andado a procrastinar. Quer dizer, tenho andado a procrastinar há 3 meses e a semana passada não foi a exceção.

 

Como rever as despesas me parecia uma tarefa insuperável, decidi começar pelo fim e relembrar-me do porque da independência financeira ser algo importante para mim.

 

No ano passado comecei a dar os primeiros passos em direção à independência financeira. Para me motivar tinha a "dor" da falta de dinheiro e o objetivo do fundo de emergência para correr atrás. Em 12 meses consegui:

  • Ter um fundo de emergência repleto
  • Ganhar dinheiro mais do que suficiente para cobrir as minhas despesas e "divertimentos"

 

Em 2019 não tenho nada concreto. Sim queria ser financeiramente independente, sim gostava de investir (em ações ou/e imobiliário), sim gostava de fazer uma (longa) viagem. Mas está tudo demasiado longe e abstrato para ser motivante. Decidi que em vez de ter um objetivo em valor absoluto e, enquanto não tenho planos concretos para o meu dinheirinho, o mais adequado é ter um objetivo em valor percentual. Aqui está:

 

Poupar 30% dos salários

Poupar 70% dos bónus

 

Se quiserem aprofundar o tema da motivação podem ler o artigo : As Senhoras são Milionárias - Motivação

Avaliação Financeira de 2018 e Objetivos para 2019

Janeiro 11, 2019

Na saga de me tornar milionária, um dos hábitos que implementei foi registar todas as minhas despesas. Depois de algumas tentativas em 2015, desde Novembro de 2017 que tenho apontado mais ou menos rigorosamente todas as minhas despesas. Finalmente, em 2018 consegui ter um ano completo de dados. É difícil escapar aos hábitos profissionais e, no inicio de Janeiro, extraí todos os dados do Toshl e fiz uma bonita análise em Excel.

 

Macro-Avaliaçao de 2018

Deixei de ser estagiária e passei a ter um emprego com um ordenado decente. Fiz um trabalho freelance remunerado.

 

Doei 0.3% dos meus rendimentos. No final de 2018 decidi começar a doar mais e consegui. Este montante pode parecer ridiculamente pequeno, mas é uma vitória ser superior a zero. 

 

Tive uma taxa de poupança de 20%. Fiquei bastante longe da taxa de poupança de 50% que queria atingir. No entanto, tenho algum dinheiro na minha conta à ordem que não transferi para a conta poupança a tempo de ser contabilizado como poupança em  2018.

 

Análise de despesas rubrica a rubrica

Screen Shot 2019-01-10 at 13.42.05.png

21% Como muito. A categoria de despesas onde gasto mais dinheiro é em comida. Como demasiadas vezes fora. Este ano podia ter poupado pelo menos 500 euros se tivesse cozinhado em casa/levado marmita para o trabalho mais vezes. Dos meus gastos em comida, 57% é apenas para continuar viva e os restantes 43% é comida em ocasiões sociais, refeições com amigos, dates com o Momé, etc.

 

14% Transporte. Vivo fora de Portugal, no meio do nada. As viagens para visitar família e amigos são essenciais ao meu bem estar emocional. Resultado, viagens de avião, comboio e aluguer de carros custam mais que a renda da casa. Comprei demasiados bilhetes em cima da hora. Ainda por cima, como boa emigrante que sou, fui a Portugal em Agosto e no Natal o que fez disparar os gastos em transportes.

 

12% Despesas com a casa (renda, seguro, eletricidade) é a minha terceira rubrica de maior expressão. Este montante não é mais alto porque divido um apartamento pequeno, de apenas 36m2, numa cidade perdida no meio do nada. 

 

3% Surpreendentemente a minha 5° rubrica é o desporto. Aqui sem bem para onde vai o dinheiro. Fui esquiar duas vezes no inicio do ano (e comprei algum equipamento). Paguei a cotização para o Jiujitso Brasileiro em Setembro. Comprei umas sapatilhas de trail em Novembro que já estava a adiar à mais de um ano (foram caras mas espero usá-las bastante). E todos os meses pago a mensalidade do ginásio para mim e para o Momé.

 

3% Estou um pouco orgulhosa com aquilo que gastei na rubrica Roupa / Calçado / Beleza. Além da roupa e do calçado não-desportivo, também incluo depilações (muito caras neste país) e os meus cremes para a cara. As minhas despesas totais ficam bem abaixo da média anual no pais onde vivo, que só para roupa é de 1230 euros. Apresar de não conseguir indicar nenhuma despesa em particular, sei que tenho comprado roupa de melhor qualidade, que vai durar vários anos em boas condições. Os meses onde gastei mais foram Janeiro (saldos), Junho (saldos) e Setembro (tive um casamento e comprei maquilhagem porque a que tinha estava fora de prazo, fiz a depilação e pus gelinho nas unhas). Em Março e Outubro não gastei nada 🙂

 

Gastei 295€ na lavandaria. Quando digo lavandaria é um sitio com maquinas de lavar e secar, fora da minha casa onde ponho a roupa comum a lavar. Isto nem sequer é o custo total do ano, porque metade das vezes é o Momé que paga pela lavandaria. Esta é uma despesa frustrante porque com o dinheiro que gastámos podíamos ter comprado uma maquina de lavar roupa (mas não temos espaço para a pôr).

 

As outras rubricas são de pouco interesse. Experiências durante viagens, algumas despesas de saúde, prendas, comissões bancarias e telemóvel (tenho o plano mais barato possível).

 

Objetivos para 2019

 

Aumentar em 50% os meus rendimentos

Deve ser fácil, trabalhei metade do ano como estagiaria, se trabalhar o ano todo com um ordenado normal é automático.

 

Taxa de poupança de 30%

Ou maior se conseguir.

 

Taxa de doações de 2%

Idealmente encontro uma maneira de doar automaticamente.

 

Comprar voos com antecedência e deixar de oferecer o meu dinheiro às companhias aéreas.

 

Mudar de apartamento e ter uma máquina de lavar roupa. Isto certamente vai levar a um aumento de custos, mas espero que o nosso conforto aumente proporcionalmente.

O Jogo do Dinheiro, Tony Robbins

Agosto 03, 2018

Decidi fazer uma review do livro O Jogo do Dinheiro de Tony Robbin, porque me forcei a ler 600 páginas e quero que outros beneficiem do livro sem ter de passar pelo mesmo tormento.

O-Jogo-de-Dinheiro.jpg

Eu achei o livro repetitivo, com muita palha, exemplos anedóticos e material que só interessa a americanos.  Como não leio sobre finanças para ser entretida, prefiro livros com conteúdo mais denso. Apenas recomendo este livro para quem é iniciante no caminho da independência financeira, gosta de material levezinho e tem resistência para ler 600 páginas.

 

Apesar de tudo, aprendi algumas coisas. Escrevi 6 páginas de notas e esquemas sobre a minha visão sobre independência financeira, defini objetivos numéricos e fiquei com ideias concretas em relação a uma futura alocação de ativos (em que me vou focar depois de encher o meu fundo de emergência).

 

Para quem tem o livro disponível e está a ter dificuldade em percorrer as 600 páginas, deixo a lista dos capítulos que considero fundamentais. Para alguns capítulos escrevi um pequeno resumo, porque achei que a informação neles contida era excecional e que valia a pena partilhar os pontos mais interessantes.

 

O jogo do dinheiro, Tony Robbins – capítulos selecionados

 

Capítulo 2.1 Mito 1: A mentira dos 13 biliões, investe connosco vamos vencer o mercado

 

Capítulo 2.2 Mito 2: "As nossas comissões? São um pequeno preço a pagar!"

 

Capítulo 3.1 Qual é o preço dos teus sonhos: torna o jogo ganhável

 

Capítulo 3.3 Acelera 1: Poupa mais e investe  a diferença

 

Secção 4 Faz a mais importante decisão de investimento da tua vida.

Este capítulo é sobre alocação de ativos. Como eu nunca tinha lido sobre o assunto, este foi o capítulo que me trouxe mais valor. Depois de o ler e de explorar alguns assuntos específicos ao pais onde vivo no Reddit, desenhei um plano concreto, que inclui as classes de ativos onde quero investir, as percentagem a alocar a cada tipo de ativo, os produtos que vou escolher e a prioridade com que investir em cada produto.

 

Capítulo 6.2 David Swensen 23,9 mil milhões de dólares de trabalho voluntário

Este capitulo é um sumario rápido do livro e explica as bases da independência financeira. O Sr. Swensen tem gerido com sucesso o fundo de doações da Universidade Yale de $25.4 biliões e, apesar da enormidade do fundo que gere, na entrevista David Swensen transparece ser alguém devotado ao trabalho, não pelo dinheiro mas pelo sentido de serviço.

 

Capítulo 6.5 Paul Tudor Jones: O Robin Wood dos tempos modernos

Capítulo 6.10 Maec Faber: o bilionário que chamavam dr. fim do mundo 

Capítulo 6.11 Charles Schwab: falando com Chuck o intermediário do povo

Capítulo 6.12 Sir John Templeton: O maior investidor do século XX?

 

Para além dos capítulos listados acima quero partilhar convosco 3 frases. Foram frases que que alteraram subtilmente a forma como vejo o mundo, o que é um feito.

 

"Mas o problema é o seguinte, toda a gente diz "vou dar quando estiver melhor". E eu também costumava pensar assim. Mas posso-te garantir o seguinte: mereces começar desde já, mesmo que penses que não estas pronto. Mesmo que penses que não tens nada para dar. Porquê? Porque (…) se não deres 10 cêntimos num dólar, não vais dar 1 milhão em 10 milhões , ou 10 milhões em 100 milhões".

 

Esta frase ressoou comigo. Eu estive na fase "vou dar quando estiver melhor" durante muito tempo, apesar de intelectualmente reconhecer a importância de dar. Com a leitura do O Jogo do Dinheiro percebi que a melhor altura para doar é agora. Enquanto não tenho um a estratégia efetiva para tornar doações parte da minha rotina (por exemplo com o Kiva), decidi começar por dar 10 euros no peditório da minha igreja. Pode não ser muito, mas ao menos fiz uma ação concreta. Confesso que na hora ainda tive alguns pensamentos de indecisão, mas depois forcei-me a deixar cair a minha nota desde a carteira até ao cesto do ofertório.

 

"Depois de dominar o tempo, vais entender como é verdade que a maioria das pessoas sobrestima o que pode realizar num ano - e subestima o que pode conseguir numa década!"

 

Este é um pensamento que já me tinha ocorrido há algum tempo. Para mim, a melhor maneira de atingir objetivos de longo prazo, é fazer pequenas ações regularmente que resultam em melhorias incrementais. Uma grande decisão, que requere um grande esforço, normalmente não leva a mudanças duradouras e sustentáveis.

 

Por exemplo, eu quero ter uma pele sem imperfeições. É impossível ter uma pele perfeita de um dia para o outro (eu já tentei e não resultou). A solução que funciona a longo prazo é desenhar uma rotina adequada, e implementa-la consistentemente. Desde que dedique algum tempo à minha pele de manhã e à noite, posso abstrair-me do objetivo final (que só se concretizará daqui a meses) e aproveitar o caminho.

 

Por exemplo eu quero ter um fundo de emergência de um determinado montante. Em vez de fazer um sacrifício enorme num mês, ou agonizar perante o meu baixo nível de poupanças posso por de lado X euros por mês. Assim crio um hábito de poupança mensal e quando for a dar por ela o meu fundo de emergência vai estar cheio. 

 

prática de gratidão diária do Tony Robbins.

 

Esta prática permite focar a mente nas coisas boas da vida, nos grandes objetivos e remove as "ervas daninhas" dos maus pensamentos. Foi uma das partes melhores do livro porque o Sr. Robbins escreve sobre aquilo em que é realmente bom: coaching. Estou a pensar testar esta prática durante 10 dias. Vocês querem que eu reporte a minha experiência aqui no blog?  

 

Obrigado irmão por me emprestares o livro.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D